• AERJ ASSOCIAÇÃO

Curiosidade: Segundo turno afeta de forma diferente as grades de rádios em regiões metropolitanas



O segundo turno das eleições municipais sempre revela um fato curioso no rádio brasileiro: parte das FMs e AMs que atuam numa determinada área metropolitana ou região ficam sem a propaganda política eleitoral, enquanto outras seguem com suas programações alteradas até o final do pleito. Isso acontece porque, algumas estações são originadas em cidades que não contam com 2º turno, seja pela definição em 1º turno ou por serem municípios com menos de 200 mil eleitores. Acompanhe algumas das curiosidades:


O caso mais curioso ocorre na Grande Belo Horizonte. O dial FM local não está com propaganda eleitoral de 2º turno em quase todas as rádios. Quase, pois a UFMG Universitária FM 104.5 está retransmitindo o horário eleitoral de Contagem, única grande cidade da região que não contou com definição em 1º turno. As outras duas praças grandes que contam com concessões e também possuem mais de 200 mil eleitores, que são Belo Horizonte e Betim, tiveram seus pleitos definidos no dia 15.


A situação mais comum é a cidade mais populosa de sua região contar com 2º turno, afetando um número maior de emissoras. É o caso de São Paulo, onde grande parte das emissoras estão com propaganda eleitoral em suas programações. Porém, rádios cujas concessão de origem são em locais sem 2º turno já estão com suas rotinas normalizadas. É o que ocorre com rádios como 89 FM A Rádio Rock FM 89.1 e Alpha FM 101.7, que são originadas em Osasco.


Energia 97 FM 97.7 e Rede Aleluia FM 99.5, concessões originadas em Santo André, também estão sem propaganda eleitoral de segundo turno, já que sua cidade de origem definiu a eleição no último dia 15. Exemplos como os casos da Tropical FM 107.9 e Musical FM 105.7, emissoras com concessões originadas em Itapecerica da Serra, que não conta com mais de 200 mil eleitores, não contam com propaganda eleitoral de 2º turno. O mesmo ocorre com a Rádio Bandeirantes FM 90.9 e a Estilo FM 102.1.


Porém ter a concessão em cidade vizinha não é necessariamente uma vantagem nesse panorama, considerando o caso de Contagem (MG) e também outros exemplos dentro da Grande São Paulo, com cidades como Mogi das Cruzes (SP), Guarulhos (SP) e Diadema (SP) tendo segundo turno em 2020.


No Rio de Janeiro, enquanto a capital conta com 2º turno, cidades grandes vizinhas definiram seus pleitos no último dia 15. Isso deixou as emissoras Rádio Cidade FM 102.9 e Feliz FM 94.9 sem horário político eleitoral, concessões originadas em Niterói. A Costa Verde FM 91.7, com torre em Itaguaí (com menos de 200 mil eleitores), também está sem horário político. Porém, assim como as FMs do Rio, as estações cuja concessão é originada em Petrópolis (RJ) estão com segundo turno.


Recife (PE) é outro exemplo de mercado com segundo turno, mas com algumas estações já desobrigadas da propaganda eleitoral, já que seus locais de concessão definiram as eleições em primeiro turno. No caso da capital pernambucana, seguem com obrigações eleitorais as rádios do Recife e de Paulista.


Também existem casos onde toda a região metropolitana ficou sem segundo turno, muito pelo fato de a maior cidade dessas áreas ter decidido a eleição no dia 15. É o caso de Salvador (BA), onde as estações AM e FM já tiveram suas grades de programação normalizadas. O mesmo foi percebido em Curitiba (PR), Natal (RN), Campo Grande (MS) e Florianópolis (SC). Palmas (TO), com menos de 200 mil eleitores, não costuma ter segundo turno.


No interior a situação também não é diferente: cidades grandes como Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), Feira de Santana (BA), Joinville (SC), entre outras, estão com suas emissoras transmitindo propagandas eleitorais de 2º turno, enquanto as FMs e AMs de cidades vizinhas já estão com suas grades normalizadas. Porém, também existem situações contrárias, como na Baixada Santista, onde Santos (SP) e Guarujá (SP) estão sem 2º turno e as vizinhas São Vicente (SP) e Praia Grande (SP) ainda não tiveram as eleições definidas.


Efeito em 2020 será menor

Como o calendário eleitoral em 2020 está mais apertado devido as mudanças impostas pela pandemia do novo coronavírus, essas diferenças entre as rádios deverão ser menores ou neutralizadas na comparação com eleições municipais anteriores. A propaganda eleitoral de 2º turno terá apenas 1 semana, esta que foi iniciada na sexta-feira (20) passada e terminará no dia 27.

É comum a indústria de rádio considerar o horário eleitoral como algo prejudicial na corrida pela audiência, já que ele amplia o tempo de intervalos na grade normal das emissoras. Mesmo com um período eleitoral mais curto em 2020, várias emissoras optaram por oferecer suas programações normais via internet (streaming de áudio) enquanto o dial AM/FM era obrigado a transmitir a propaganda política obrigatória.


Concessões de outras cidades?


A canalização de AMs e FMs é feita por cidades, algo que também é comum em outros locais do mundo. Algumas estações, cuja concessão é originada em determinado local, tem sua operação de transmissão deslocada para outro município por motivos técnicos (geralmente pelo porte da concessão), mas não podem se distanciar de seus municípios de origem, assim como manter um nível de cobertura de sinal local nessas praças e suas respectivas obrigações legais (como o horário eleitoral municipal).


Com informações Site Tudo Radio - por Carlos Massaro

5 visualizações0 comentário